Clique em lição 1, e baixo o aquivo em PDF.

IGREJA PRESBITERIANA DO CAMBEBA – DISCIPULADO BÁSICO.

Lição 1: O resumo da fé cristã – uma análise do credo apostólico.

Texto para reflexão: Hebreus 10.23

Introdução

O credo dos apóstolos é um dos documentos confessionais mais prestigiados da fé cristã. Ele já era conhecido na igreja cristã em Roma “nas últimas décadas do segundo século”[1], ainda que sua forma final só viesse a ser conhecida no século VII.[2] Embora o credo contenha o titulo de apostólico, isto não significa que foi escrito pelos apóstolos, antes aponta para o fato que o seu conteúdo, expressa com exatidão o “ensino apostólico (…) e a mensagem de Cristo”[3]. O credo apostólico foi adaptado “a fim de servir como uma declaração de fé e como base e culminação do catecismo”[4]. Nossa primeira aula refletirá sobre o credo apostólico pela sua importância como resumo da fé cristã.

A Escritura e o credo apostólico

A relação entre o credo dos apóstolos e a Escritura Sagrada é fundamental para entendermos o conteúdo da fé e da identidade cristã. Embora o credo tenha sido produzido pela igreja, não podemos perder de vista que o seu conteúdo aponta para o testemunho das Escrituras em vários sentidos. No quadro abaixo se pode ver a base bíblica do credo:

Creio em Deus Pai, Todo-poderoso, Criador do Céu e da terra. Gn 1.1; Is 13.6; Ap 1.6
Creio em Jesus Cristo, seu único Filho, Jo 3.16; Mt 16.16
Nosso Senhor, Rm 5.1; 1Pe 1.3
O qual foi concebido por obra do Espírito Santo; Mt 1.20
Nasceu da virgem Maria; Mt 1.23
Padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, Mt 27.26
Foi crucificado, Mc 15.24
Morto Jo 19.30
E sepultado; Lc 23.53
Ressurgiu dos mortos ao terceiro dia; Lc 24.46
Subiu ao Céu; At 1.9
Está sentado à direita de Deus Pai Todo-poderoso, At 7.56, Cl 3.1
Donde há de vir para julgar os vivos e os mortos. 2 Co 5.10
Creio no Espírito Santo; Gn 1.2; Jo 14.16
Na Santa Igreja Universal; Hb 12.22
Na comunhão dos santos; Ef 4.1-6
Na remissão dos pecados; Ef 1.7
Na ressurreição do corpo; 1Co 15.35-49
Na vida eterna. Amém. Jo 5.24

O credo apostólico é uma confissão de fé fundamentada na autoridade das Sagradas Escrituras. A fé cristã não brota da experiência da fé, nem da autoridade da Igreja, ou dos credos que ela produziu. O povo de Deus não passou a ter fé depois dos credos. Houve um tempo em que não existiam os credos, mas a igreja declarava sua fé com base nas Escrituras. Essa fé pode era acessada sempre com base na Palavra de Deus, e assim, os cristãos,

criam em Deus, o Pai; em Jesus, como Filho de Deus e Salvador; criam no Espírito Santo, de cuja presença estavam cônscios. Criam no perdão dos pecados. A base do seu ideal moral era o ensino de Jesus sobre o amor a todos os homens. Aguardavam a volta de Jesus para exercer julgamento final e dar a vida eterna a todos os que criam nele.[5]

Portanto, quando confessamos o credo e dizemos o “amém” no final, estamos concordando com tudo que a Escritura diz sobre Deus, seu plano de salvação e o futuro que ele trará.

A estrutura trinitária do credo apostólico

O ser de Deus revelado nas Escrituras dá testemunho que Deus é um só (Dt 6.4). Ao mesmo tempo, as Escrituras reconhecem claramente a divindade absoluta do Pai (Fl 3), do Filho (1Jo 5.20) e do Espírito Santo (At 5.3-4). O credo dos apóstolos possui em sua estrutura uma evidente conotação trinitária. A fé cristã confessa o Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Sobre a doutrina da trindade precisamos considerar alguns pontos:

DEUS UM SÓ “Não existem três deuses, mas um só Deus essência indivisível.”[6]
DEUS SUBSISTE EM TRÊS PESSOAS “No Ser Divino há três pessoas ou subsistências individuais, o Pai e o Filho, e o Espírito Santo.”[7]
ESTAMOS DIANTE DE UM MISTÉRIO “Tente explica-la, e perderá a cabeça; Mas, tente negá-la e perderá a alma.”[8]

O Evangelho testemunhado no credo apostólico

O credo dos apóstolos confessa que o Deus Trino está diretamente envolvido com a redenção do seu povo. O Deus criador de todas as coisas, enviou seu Filho para sofrer em nossa lugar para nos dar a vida eterna. O Pai e o Filho enviam seu Espírito para formar a comunhão dos santos até o dia em que todas as coisas serão redimidas.  Esse é o resumo do Evangelho e da fé cristã. O Deus e Pai, todo poderoso, governa todas as coisas. O mal que entrou no mundo por meio do pecado não tem a ultima palavra. A boa nova é que em Jesus a vida pode ser eterna para os creem no Evangelho. Por causa dele, por causa de Jesus, podemos ter vida e esperança. O credo não é apenas um resumo da fé, mas “uma declaração suscinta dos pressupostos, sobre a qual não poderia haver debate algum.”[9] O credo é síntese da fé cristã que todo membro da igreja deve conhecer e confessar de coração.

Conclusão

O credo apostólico serve como uma baliza que indica os limites da nossa confissão de fé. Ao estudá-lo reconhecemos que ele serve para duas funções, uma “negativa e a [outra] positiva: a primeira, excluindo os erros que estão espalhados, em nossos dias, pelas seitas e pelos protestantes liberais; a última, fornecendo um caminho para introduzir uma nova geração nos fundamentos.”[10] O credo apostólico, quando coerentemente confessado, nos une como cristãos, nos separa da confissão de fé apóstata e apresenta-nos de forma sintética o conteúdo básico do testemunho doutrinário cristão. Acertadamente, Noll diz que:

Os antigos credos batismais, juntamente com os credos conciliares que se seguiram, funcionaram como sumários apostólicos da fé cristã. Eles foram destilados a partir dos ensinos mais amplos das Escrituras e guiavam as práticas externas da igreja. Juntamente com a mensagem fundamental do Novo Testamento e a obra dos bispos, eles permitiam que a igreja conhecesse a sua própria identidade.[11]

Que seja essa também nossa confissão de fé. Confessemos de coração nossa fé no Pai, no Filho e no Espírito!

Rev. Francisco Macena da Costa.

[1] WALKER, Wiliston. História da Igreja Cristã. São Paulo: ASTE, 2006. p. 88

[2] NOLL, Mark A. Momentos decisivos na história do cristianismo. São Paulo: Cultura Cristã, 2000. p. 46

[3] Ibid.

[4] GONZALES, Justo L. Uma história do pensamento cristã. São Paulo: Cultura Cristã, 2004. p. 149

[5] NICHOLS, Robert Hastings. História da Igreja Cristã. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 2000. p. 34

[6] LOUIS, Berkhof. Teologia Sistemática. Campinas: Luz Para o Caminho, 1990. p. 88

[7] Ibid., p. 89

[8] ERICKSON, Milard J. Introdução à teologia sistemática. São Paulo: Vida Nova, 1997. p. 139

[9] FERREIRA, Franklin; MYATT, Alan. Teologia sistemática: uma análise histórica, bíblica e apologética para o contexto atual. São Paulo: Vida Nova, 2007. o. 21

[10] HORTON, Michael. Creio: redescobrindo o alicerce espiritual. São Paulo: Cultura Cristã, p. 17

[11] NOLL, Mark A. Momentos decisivos na história do cristianismo. p. 48

Anúncios