A tua graça é melhor que a vida.

 

Todo o nosso país, nesses dias, atonitamente recebeu a anunciada e esperada, morte do ex-presidente José de Alencar, que durante 17 anos lutou contra uma doença mortal e cancerígena. Alencar, ainda que senhor de muitos recursos, podendo inclusive buscar tratamento fora do país, não obteve nada mais que postergar os seus dias de vida, isso aos nossos olhos humanos, pois pela Escritura sabemos que todos os nossos dias estão contatos. Alencar através da doença recebeu como um dom os limites da existência.

Menino pobre, mas trabalhador se tornou empresário e dono de uma das empresas mais respeitáveis do nosso país. Homem credenciado pela sua capacidade administrativa entrou para o mundo da política, tendo como ápice de sua carreira, a parceria com o petista Luis Inácio Lula da Silva, que veio a ser presidente da república, contando com a rubrica do empresariado brasileiro, por conta da confiabilidade de Alencar em Minas Gerais.

Embora Alencar tenha deixado um legado no trabalho e na política, sua maior marca foi à coragem e a sua luta pela vida, mesmo diante de uma doença sem cura através dos recursos da ciência. De certa forma ficamos acostumados com as entradas de Alencar no Hospital, para logo em seguida, sermos contagiados com a sua saída inesperada hospital, onde o próprio Alencar fazia questão de celebrar a vida. Sem dúvida, a doença acrescentou para Alencar o relevo da vida. O extremo da morte imprimiu em Alencar um testemunho de amor a existência com toda impressionabilidade de sua anteposição sobre direitos e coisas materiais.

O salmista, vivendo em meio às tensões e ambigüidades da vida, disse: “O Deus, tu és o meu Deus, de madrugada te buscarei; a minha alma tem sede de ti; a minha carne te deseja muito em uma terra seca e cansada, onde não há água; para ver a tua força e a tua glória, como te vi no santuário. Porque a tua benignidade é melhor do que a vida, os meus lábios te louvarão. Assim eu te bendirei enquanto viver; em teu nome levantarei as minhas mãos.” (Sl 63.1-4)

Existe algo melhor do que a vida? No dizer do salmista, existe sim! Para ele contar com a bondade de Deus é melhor do que “ser” jogado na existência sem esperança e expectativa. Para o salmista as dores da vida deve nos mover para além do apego a vida, para enfim estarmos face a face com aquele que nos deu a vida.

Tal garantia de esperança, que emana da certeza de Deus em sua glória e poder, é que deve determinar o maior de todos os milagres em nossa alma inóspita.  Melhor que viver e perseguir a vida em si, é estar diante de Deus esperando em suas promessas fieis e verdadeiras, testemunhos de sua bondade. É pela sua bondade que recebemos a natureza, a força, a sabedoria, a família, a fé, a esperança, amor e a vida. Por isto, melhor do que viver é, enquanto durarmos, vivermos pela certeza da graça de Deus em Cristo por nós e por mim. A bondade de Deus em Cristo para a nossa salvação é a causa, o sentido e objetivo da vida. Se não houver essa confiança na misericórdia de Deus não existe vida, mas apenas a manifestação de uma existência falecida, seca e árida.

Que o Senhor nos ensine que a vida é um dom, que deve ser usado para santificar, aquele que nos persuade que a sua bondade é melhor que a vida.

Rev. Francisco Macena da Costa.

Cambeba, 1 de abril de 2011.

Fortaleza, CE.

Anúncios