2 Co 12.11-21

11 Tenho-me tornado insensato; a isto me constrangestes. Eu devia ter sido louvado por vós; porquanto em nada fui inferior a esses tais apóstolos, ainda que nada sou. 12 Pois as credenciais do apostolado foram apresentadas no meio de vós, com toda a persistência, por sinais, prodígios e poderes miraculosos. 13 Porque, em que tendes vós sido inferiores às demais igrejas, senão neste fato de não vos ter sido pesado? Perdoai-me esta injustiça.

14 Eis que, pela terceira vez, estou pronto a ir ter convosco e não vos serei pesado; pois não vou atrás dos vossos bens, mas procuro a vós outros. Não devem os filhos entesourar para os pais, mas os pais, para os filhos. 15 Eu de boa vontade me gastarei e ainda me deixarei gastar em prol da vossa alma. Se mais vos amo, serei menos amado? 16 Pois seja assim, eu não vos fui pesado; porém, sendo astuto, vos prendi com dolo. 17 Porventura, vos explorei por intermédio de algum daqueles que vos enviei? 18 Roguei a Tito e enviei com ele outro irmão; porventura, Tito vos explorou? Acaso, não temos andado no mesmo espírito? Não seguimos nas mesmas pisadas? 

19 Há muito, pensais que nos estamos desculpando convosco. Falamos em Cristo perante Deus, e tudo, ó amados, para vossa edificação. 20 Temo, pois, que, indo ter convosco, não vos encontre na forma em que vos quero, e que também vós me acheis diferente do que esperáveis, e que haja entre vós contendas, invejas, iras, porfias, detrações, intrigas, orgulho e tumultos. 21 Receio que, indo outra vez, o meu Deus me humilhe no meio de vós, e eu venha a chorar por muitos que, outrora, pecaram e não se arrependeram da impureza, prostituição e lascívia que cometeram.

 Irmãos e irmãs como igreja do Senhor temos muito trabalho a realizar em prol do reino de Deus nesse mundo. Basta lembrar que há muitas vidas, famílias, jovens e crianças que precisam ouvir o evangelho da Cruz.

Como corpo de Cristo, somos, chamados a viver uma mutualidade que se preste a fornecer através dos dons e talentos a dinâmica do crescimento a medida em vamos caminhando junto, orando, lendo a bíblia e vivenciando a koinonia dos filhos de Deus. Em resumo a vida cristã é uma vida de serviço a Deus, a igreja, a sociedade.

A vida cristã é uma dialética onde manifestamos que somos servos de Deus à medida que servimos as pessoas, por isso mesmo, nessa noite de culto quero exortar os irmãos acerca de algumas atitudes que precisamos considerar e cultivar se de fato queremos viver a dimensão integral do serviço cristão para o qual fomos chamados.

Vamos, pois refletir sobre a forma como Paulo defendeu suas credenciais de servo de Deus para aprender quais são as atitudes que marcam o serviço cristão no mundo. Dentre muitas verdades que o texto ensina quero considerar três delas;

 

                          I.   O serviço cristão manifesta-se na vivencia prática em meio a muitos conflitos.

 

Quando Paulo escreveu aos coríntios a igreja estava vivendo muitos conflitos de ordem;

  • Relacional
  • Litúrgica
  • Moral
  • Familiar
  • Ministerial

 E o drama ou ferida exposta na comunidade acerca das distorções ministeriais chegaram inevitavelmente sobre o ministério de Paulo naquela igreja. De acordo com a informação de outros textos da carta a comunidade de cristão em Corinto estava sendo solapada e influenciada por um poder paralelo e extra-oficial que agia em surdina das estruturas de poder na igreja sob ações de pessoas conhecidas na época com super apóstolos. O próprio Paulo teve a chance de exortar a igreja acerca deles como ser vê em (2 Coríntios 11:13-15, RA). O texto sagrado diz assim:

 “Porque os tais são falsos apóstolos, obreiros fraudulentos, transformando-se em apóstolos de Cristo. E não é de admirar, porque o próprio Satanás se transforma em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus próprios ministros se transformem em ministros de justiça; e o fim deles será conforme as suas obras.”

Voltando agora para nosso texto base podemos ainda perceber que os falsos apóstolos, estavam rotulando o ministério de Paulo, depreciando e criticando a postura pastoral de forma ácida e destrutiva. Através de uma leitura atenta do ponto de vista dos conflitos podemos de certa até mesmo reconstruir as críticas feitas a Paulo, por meio das palavras que ele levanta no texto para defender sua autoridade.

 Vejamos as críticas;

 Paulo no verso 11se defende da acusação de insensatez. 

Tenho-me tornado insensato

 Ainda no verso 11,12 ele é tido com inferior aos outros.

Eu devia ter sido louvado por vós; porquanto em nada fui inferior a esses tais apóstolos, ainda que nada sou.

Pois as credenciais do apostolado foram apresentadas no meio de vós, com toda a persistência, por sinais, prodígios e poderes miraculosos.

 No verso 13 Paulo revela que muitos consideravam ele como um fardo para a igreja.

Porque, em que tendes vós sido inferiores às demais igrejas, senão neste fato de não vos ter sido pesado?

 Também no verso 13 Paulo foi acusado de ser injusto.

Perdoai-me esta injustiça

 Não satisfeitos disseram na comunidade que Paulo só tinha o interesse nas ofertas (14)

 Eis que, pela terceira vez, estou pronto a ir ter convosco e não vos serei pesado; pois não vou atrás dos vossos bens, mas procuro a vós outros.

 No verso 16 é dito que Paulo era um manipulador.

Pois seja assim, eu não vos fui pesado; porém, sendo astuto, vos prendi com dolo.

 E por fim no verso 17 e 18 Paulo foi chamado de explorador da igreja.

Porventura, vos explorei por intermédio de algum daqueles que vos enviei?

 Veja irmãos e irmãs que servir a Deus é uma atitude que se manifesta em meio a conflitos internos dentro da comunidade cristã e muitas vezes parte dos conflitos se direcionam contra o serviço do cristão. Veja que Paulo era um ministro do evangelho, um imitador de Cristo, um servo abnegado, um homem dedicado e mesmo assim existiam oposições e críticas duras e ácidas contra o ministério que Deus o entregou.

Em agosto nossa igreja celebra com ação de graças 150 anos de uma história marcada por vários conflitos internos de ordem moral, teológica, ética e social. Não podemos negar também hoje a existências de servos do diabo cuja língua forjica engano para difamar e criticar acidamente nossa igreja. Mesmo aqui em nossa comunidade aqueles que servem a Deus poderão experimentar criticas gratuitas e desvalidas de fundamento que nada mais são do que desejo de poder de demônios transvertidos de anjos.

Queridos a exortação que hoje faço a igreja aqui reunida não deve ser interpretada como desabafo ou como acusação aos que já foram lavados pelo sangue de Jesus. Quero dizer a todos vocês que categoricamente não existem ministério fácil, toda situação traz consigo sua carga de provação, dificuldades, tensões e conflitos.

Por isso irmãos e irmãs Em nome de Jesus, peça graça a Deus para suportar palavras duras, palavras falsas, pessoas falsas e interesses falsos. O ministério precisa ser desenvolvido, ainda que não seja reconhecido.

Ao mesmo tempo também exorto a igreja a não permitir espaço para pessoas que tentam minar a autoridade dos servos de Cristo. Não use sua língua para incendiar a casa de Deus com fofocas e picuinhas. Servo de Deus usa sua língua para falar coisas boas para edificação do rebanho e para orar uns pelos outros.

 Vejamos ainda a segunda verdade do texto, a saber, que;

 

                         II.   O serviço cristão exige postura fidelidade.

 

Diante de tantas criticas ácidas, Paulo exortou a igreja e de certa forma respondeu pacienciosamente aos falsos apóstolos não somente com palavras, mas através de uma postura marcada pela consciência da fidelidade a Deus acima de tudo e de todos. Qual postura foi essa?

 Paulo não aceitou a mediocridade. (11,12). Paulo não se deixa levar pelas palavras falsas, ele crava os olhos nas verdadeiras credenciais do ministério. Paulo busca desenvolver essas credencias, porque não quer desenvolver um ministério medíocre. Definitivamente Paulo não sofria com problemas de baixo estima pois ainda que criticasse duramente seu ministério, ele teve a coragem para reafirmar que ser servo de Deus não faz dele um ser inferior.

Tenho-me tornado insensato; a isto me constrangestes. Eu devia ter sido louvado por vós; porquanto em nada fui inferior a esses tais apóstolos, ainda que nada sou. Pois as credenciais do apostolado foram apresentadas no meio de vós, com toda a persistência, por sinais, prodígios e poderes miraculosos.

 Paulo permaneceu firme ao chamado. (14). Apesar das palavras duras, Paulo não saltou do barco, ele não abriu mão da igreja. Ele poderia bem afirmar nunca mais andar naquela igreja, mas como ele é fiel a Deus disse: Eis que, pela terceira vez, estou pronto a ir ter convosco e não vos serei pesado.

 Paulo manteve seu foco nas pessoas. (14,15). O interesse de Paulo era pelo rebanho e não pelas posses do rebanho. O olhar e o coração pastoral estavam nas ovelhas. Ela não tinha raiva das ovelhas, ódio ou rancor, ele tinha cuidado.

Não devem os filhos entesourar para os pais, mas os pais, para os filhos. Eu de boa vontade me gastarei e ainda me deixarei gastar em prol da vossa alma. Se mais vos amo, serei menos amado?

 Paulo dividiu o peso do ministério. 16-18. Paulo tinha amigos que o ajudavam, pessoas que carregavam junto o peso de pastorear ainda que em situações críticas. De fato Paulo procurava apoio nas pessoas amigas e sinceras.

 “Procura vir ter comigo depressa. Porque Demas, tendo amado o presente século, me abandonou e se foi para Tessalônica; Crescente foi para a Galácia, Tito, para a Dalmácia. Somente Lucas está comigo. Toma contigo Marcos e traze-o, pois me é útil para o ministério. Quanto a Tíquico, mandei-o até Éfeso.” (2 Timóteo 4:9-12, RA)

 “Saudai Priscila e Áqüila, meus cooperadores em Cristo Jesus, os quais pela minha vida arriscaram a sua própria cabeça; e isto lhes agradeço, não somente eu, mas também todas as igrejas dos gentios; saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles. Saudai meu querido Epêneto, primícias da Ásia para Cristo. Saudai Maria, que muito trabalhou por vós. Saudai Andrônico e Júnias, meus parentes e companheiros de prisão, os quais são notáveis entre os apóstolos e estavam em Cristo antes de mim. Saudai Amplíato, meu dileto amigo no Senhor. Saudai Urbano, que é nosso cooperador em Cristo, e também meu amado Estáquis. Saudai Apeles, aprovado em Cristo. Saudai os da casa de Aristóbulo. Saudai meu parente Herodião. Saudai os da casa de Narciso, que estão no Senhor. Saudai Trifena e Trifosa, as quais trabalhavam no Senhor. Saudai a estimada Pérside, que também muito trabalhou no Senhor. Saudai Rufo, eleito no Senhor, e igualmente a sua mãe, que também tem sido mãe para mim. Saudai Asíncrito, Flegonte, Hermes, Pátrobas, Hermas e os irmãos que se reúnem com eles.” (Romanos 16:3-14, RA)

 O que você faz quando está sob pressão? O que você faz quando as coisas ficam difíceis? Você desiste? Pula do barco? O que você faz? O que foi que Paulo fez? Ele procurou ainda que sob pressão desenvolver a vocação com um servo, sua resposta as criticas foi o serviço. O servo de Deus nunca deve achar que a simplicidade da vida e do serviço cristão deve ser feito com mediocridade e inferioridade. Pelo contrário o servo de Deus deve ter em alta conta o ministério cristão vivendo a dimensão do serviço com zelo e fervor.

O servo de Deus deve perseverar com a igreja, apesar dos conflitos, deve esgotar todas as possibilidades para caminhar junto com a igreja, colocando o ministério acima de nossas vaidades e desejos pessoais.

O servo deve estar interessado nas pessoas e não nas coisas. Cadeiras, paredes, muros, não precisam ser pastoreadas, mas as pessoas precisam. Daí tenhamos o cuidado com as pessoas. Igreja é feita de gente. Por isso peça a Deus coração puro para não alimentar ódio, raiva, vingança, no lugar disso esteja o serviço. No lugar de ódio que nosso coração esteja cheio de amor para dar uns aos outros.

O servo de Deus nunca pode achar que é capaz de realizar tudo só. Somos um corpo e precisamos uns dos outros.

 “Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos. Se disser o pé: Porque não sou mão, não sou do corpo; nem por isso deixa de ser do corpo. Se o ouvido disser: Porque não sou olho, não sou do corpo; nem por isso deixa de o ser. Se todo o corpo fosse olho, onde estaria o ouvido? Se todo fosse ouvido, onde, o olfato? Mas Deus dispôs os membros, colocando cada um deles no corpo, como lhe aprouve. Se todos, porém, fossem um só membro, onde estaria o corpo? O certo é que há muitos membros, mas um só corpo. Não podem os olhos dizer à mão: Não precisamos de ti; nem ainda a cabeça, aos pés: Não preciso de vós. Pelo contrário, os membros do corpo que parecem ser mais fracos são necessários; e os que nos parecem menos dignos no corpo, a estes damos muito maior honra; também os que em nós não são decorosos revestimos de especial honra. Mas os nossos membros nobres não têm necessidade disso. Contudo, Deus coordenou o corpo, concedendo muito mais honra àquilo que menos tinha, para que não haja divisão no corpo; pelo contrário, cooperem os membros, com igual cuidado, em favor uns dos outros. De maneira que, se um membro sofre, todos sofrem com ele; e, se um deles é honrado, com ele todos se regozijam.” (1 Coríntios 12:14-26, RA)

 

Finalmente o texto nos ensina que;

 

                        III.   O serviço cristão precisa ser exercida com amor.

 

Veja que no verso 15 Paulo abre o seu coração aos coríntios e reafirma o seu amor por eles.

Eu de boa vontade me gastarei e ainda me deixarei gastar em prol da vossa alma. Se mais vos amo, serei menos amado?

 A grande força que fez Paulo suportar o desgaste do serviço foi amor. Vejamos, pois a natureza desse amor;

 Paulo amava a igreja como um pai ama o filho. (14) Não devem os filhos entesourar para os pais, mas os pais, para os filhos.

 Paulo não era um burocrata da fé, ele servia a igreja como que serve a uma familia, ele servia aos irmãos assim como um pai trabalha para enriquecer os filhos.

 Paulo amava a igreja sem abrir mão da autoridade. (19) Há muito, pensais que nos estamos desculpando convosco. Falamos em Cristo perante Deus, e tudo, ó amados, para vossa edificação.

 Paulo amava a igreja, mas em nenhum momento fez concessões de ordem fundamental acerca dos ensinos de Cristo e de sua autoridade com apostolo para instruir a Igreja.

 Paulo amava a igreja nutrindo as melhores expectativas para o povo. (20) Temo, pois, que, indo ter convosco, não vos encontre na forma em que vos quero, e que também vós me acheis diferente do que esperáveis, e que haja entre vós contendas, invejas, iras, porfias, detrações, intrigas, orgulho e tumultos.

 

O ideal de Paulo é uma comunidade santa livre de invejas e contendas.

Paulo amava a igreja prevenindo contra os ladrões da piedade. (21) Receio que, indo outra vez, o meu Deus me humilhe no meio de vós, e eu venha a chorar por muitos que, outrora, pecaram e não se arrependeram da impureza, prostituição e lascívia que cometeram.

 Paulo não é daqueles que se alegram com a desgraça na igreja, pelo contrario a humilhação da igreja é humilhação dele e por isso mesmo ele previne a comunidade contra os ladrões da verdadeira piedade.

O amor e dom supremo e todos os atos devem ser feitos com amor, muito mais quanto isto se refere às coisas de Deus. O servo de Deus que age por amor;

  • · Resgata a figura do pai, o curador de almas – vamos servir uns aos outros não numa relação mecânica, mas numa relação de amor e carinho.
  • · Fala a verdade com autoridade e amor, visando o bem e o crescimento da igreja no Senhor. Às vezes é preciso dizer coisas duras, mas procure dizer com amor. Procuremos crescer juntos para a glória de Deus.
  • · Nutre as melhores expectativas. Alegrem o coração do supremo pastor com uma vida santa. Sei que as vezes a realidade tenta imprimir tristeza e falsas expectativas, mas tenhamos forças e esperança no Senhor, nutrindo as melhores alvos e sonhos para a igreja do Senhor.
  • · Não é surrealista, antes enxerga os inimigos da igreja, e assim cuida do rebanho a fim de proteger e apontar o caminho certo.

 

Conclusão.

 

Nesses dias em que estamos pensando sobre a igreja que possamos entender a natureza do serviço que Paulo vivenciou focando as atitudes que ele tomou em relação à igreja de corinto. Que sejam também nossas atitudes no sentido de

  • Resistirmos aos conflitos e as tribulações olhando firmemente para Jesus o autor e consumador da nossa fé;
  • Que sejamos fieis ao Senhor no exercício dos dons e das vocações ministeriais que ele nos concedeu.
  • Que tenhamos amor em todos os nossos atos, pois o amor é o caminho sobremodo excelente.

 

Que nos ajude e tenho misericórdia de nós.

Anúncios